20 Aug 2008

Livros

"Não percebo a pancada que as pessoas têm com os livros. Leêm-os e depois colocam-os nas prateleiras como se fossem troféus. Para que é que são precisos depois de serem lidos?"

Jerry Seinfeld para George Costanza.

Nos últimos tempos, tenho tido algumas dificuldades em ler um livro do princípio ao fim. O último que li foi um do Rui Zink e já faz alguns meses. Nas férias, comecei a ler o Lunar Park do Bret Easton Ellis, que por acaso foi o gajo que escreveu aquele que eu considero (ou considerei ou já não sei se considero) o meu livro preferido. É o "Less Than Zero". Emprestei-o a tanta a gente que a capa já está completamente gasta. Bastou levou-lo para uma aula de português na escola secundária para me começar a sentir um autêntico bibliotecário itenerante da Gulbenkian. Lembro-me que numa certa aula era suposto cada um levar o seu livro preferido e ler um excerto do mesmo. Tive algumas dificuldades em encontrar uma parte que não tivesse palavras como f***-se, puta, coca , etc. Mas claro que a parte que eu li não fugia ao espírito do livro, daí o elevado número de pedidos de empréstimo. No outro dia vi o filme (abençoada internet que me deixou ver um filme que há mais de 10 anos procurava em Portugal e quem nem sequer cá chegou) e já nem me lembrava da história. Mas foi engraçado ver como a imagem que eu tinha na minha cabeça sobre os ambientes e os personagens eram diferentes das que vi no filme. Algo que em princípio deve acontecer a toda a gente em situações do género.

Reparem na capa da 1ª edição americana...podia ser a capa de um cd de uma banda qualquer, daquelas de electro-pop que surgem todos os dias no myspace (só falta lá a minha pseudo-banda também).


Os Ray-Ban que toda a gente já usa este ano nas praias portuguesas, com um toque 3D. Nice.


Quero muito ler este:


E acho que vai ser o primeiro livro sem ser técnico que vou ler em inglês.


Algumas sugestões desse lado? Não vale Paulo Coelho nem Saramago e muito menos Margaridas Rebelos Pintos...

3 comentários:

Filipe Marques said...

"Felicidade", de Will Ferguson.

A pior capa de sempre para quem tenha um mínimo de vergonha. Livro azul claro, com uma margarida em grande destaque e com o título que tem.

No entanto, é uma sátira hilariante à indústria dos livros de auto-ajuda. É que há, finalmente, um livro que resulta... e a consequência é um apocalipse de felicidade. Estou prestes a acabá-lo e é mesmo muito bom. Se servir de ajuda, o autor do livro dentro do livro tem como nome... Tupak Soiree. Se isto não for suficiente, não sei o que é!

E bom blog, by the way.

Miss Pu said...

Johny, acreditas que ainda ontem tive para fazer um post exactamente a pedir sugestões de bons livros?

Pois, também não tenho conseguido ler um livro do princípio ao fim... Ou me prende logo no ínicio, ou boca, começa a criar pó algures numa prateleira...

Se leres essa sugestão acima, depois dá-me feedback.

kiss aqui-da-miss - cucu, tou aqui atrás, aqui!

Miss Pu said...

Errata: início

(que isto de ser copy tem muito que não se lhe diga)